Revista OrtodontiaSPO 2009 | V42N5 | Páginas: 422

Tratamento da má-oclusão de Classe III por meio da tração reversa da maxila: revisão sistemática

Treatment of Class III malocclusion through the maxillary reverse protraction: systematic review

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Márcia Medeiros da Silva* Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas** Alexandre Antonio Ribeiro*** Kenio Costa de Lima**** Cícero Florêncio Filho*****
* Especialista em Ortodontia pela ABO-RN. ** Especialista em Ortodontia pela ABO-RN; Mestrando em Ortodontia pela Unesp - Araraquara *** Especialista em Ortodontia pela ABO-RN; Mestrando em Ortodontia pela UFRJ. **** Doutor em Microbiologia Oral pela UFRJ. ***** Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial pela UFPE; Mestre em Ciências da Saúde pela UFRN.

Resumo:

A má-oclusão de Classe III é, sem dúvida, a alteração sagital mais difícil de ser tratada. Apesar da pequena prevalência esta discrepância apresenta grande impacto psicossocial. O estudo tem como objetivos realizar uma revisão sistemática da literatura dos últimos oito anos, atualizando os resultados obtidos em metanálises anteriores sobre a efetividade da tração reversa da maxila no tratamento da Classe III. Foram selecionados ensaios clínicos controlados e/ou aleatórios que utilizaram máscara facial, com ou sem disjunção maxilar prévia em pacientes em crescimento, portadores de má-oclusão esquelética de Classe III. Uma estratégia de busca através de palavras-chaves e critérios predefinidos resultou na seleção de oito artigos. Abrangeram a época ideal para início de tratamento, efeitos dentoalveolares e esqueléticos e a realização ou não de disjunção maxilar prévia. A terapia mostrou-se mais eficiente em crianças com dentição decídua tardia e mista precoce. Após a intervenção, o padrão de crescimento de Classe III é restabelecido, sendo necessária a utilização de algum dispositivo de contenção ativa para a estabilidade do tratamento. A disjunção maxilar parece ter maior empregabilidade em casos de alterações transversais maxilares.

Unitermos:

Má-oclusão de Angle Classe III; Aparelhos de tração extrabucal; Ortodontia interceptora.

Abstract:

The class III malocclusion is, undoubt, the most difficult sagittal alteration to be treated. Despite of small prevalence this discrepancy presents a high social and psychological impact. The aims of this study is realize a literature systematic review of the eight past years, updating the results gotten in previous meta-analyses about the effectiveness of the maxillary reverse protraction in Class III treatment. Were selected controlled and/or randomized clinical trials that used facemask, with or without previous maxillary expansion in growth patients that have skeletal Class III malocclusion. The search strategy using predefined key-words and predefined criterias resulted in selection of eight articles. They ranged the timing for the begin of treatment, skeletal and dental effects and previous maxillary expansion or not. The therapy revealed to be more efficient in children's with deciduous dentition and early mixed dentition. After the intervention the growth pattern of Class III is reestablished being necessary the use of some type of active contention for the treatment stability. The previous maxillary expansion it seems to have more applicability in cases of transversal discrepancies.

Keywords:

Malocclusion; Angle Class III; Extraoral Traction appliances; Orthodontic interceptive.