Revista OrtodontiaSPO 2010 | V43N6 | Páginas: 673

O formato dos arcos dentários em tomografia computadorizada por feixe cônico

The dental arch form in cone beam computed tomography

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Luiza do Nascimento Cezar Magalhães* Rívea Inês Ferreira** Ana Carla Raphaelli Nahás-Scocate** Helio Scavone-Junior**
*Mestre em Ortodontia - Universidade Cidade de São Paulo/ Unicid. **Professores associados - Programa de Mestrado em Ortodontia - Universidade Cidade de São Paulo/ Unicid.

Resumo:

O formato dos arcos dentários tem implicações para a funcionalidade oclusal, estética do sorriso e da face, assim como para a estabilidade em longo prazo das correções ortodônticas. Desse modo, o objetivo neste estudo foi avaliar comparativamente o formato dos arcos maxilar e mandibular em imagens por tomografia computadorizada por feixe cônico (TCFC) e modelos de gesso. A amostra consistiu de imagens por TCFC e modelos de gesso pré-tratamento de 30 pacientes ortodônticos, de ambos os gêneros, com média de idade de 5,3 ± 25,4 anos. Um examinador treinado avaliou o formato dos arcos visualmente em imagens axiais por TCFC, adquiridas com o aparelho i-CAT (Imaging Sciences, Hatfield, PA, EUA) e modelos de gesso, com o auxílio do gabarito Ortho Form (3M Unitek, Monrovia, CA, EUA). A análise estatística foi realizada por meio do teste de coincidência de McNemar-Bowker (α = 0,05). Para os arcos maxilar e mandibular, os formatos cônico de menor dimensão (40%-43,3%) e ovoide (26,7%) foram os mais frequentes. Não houve diferenças significantes entre os métodos na classificação do formato dos arcos maxilares e mandibulares. Conclui-se que as imagens por TCFC apresentam desempenho satisfatório para avaliação do formato dos arcos dentários durante diagnóstico e planejamento ortodôntico.

Unitermos:

Tomografia computadorizada de feixe cônico; Arco dentário; Modelos dentários; Ortodontia.

Abstract:

The dental arch form has been implicated in the occlusal function, smile and facial esthetics, as well as in long-term stability of corrective orthodontic treatment. Thus, the aim of this study was to assess maxillary and mandibular arch form in cone beam computed tomography (CBCT) in comparison with the categorization by means of plaster models. The sample consisted of pre-treatment CBCT images and plaster models of 30 orthodontic patients, of both genders and mean age of 25.4 ± 5.3 years. A trained examiner assessed arch form by visual inspection on axial CBCT images, acquired with the i-CAT tomograph (Imaging Sciences, Hatfield, PA, USA), and plaster models using the Ortho Form template (3M Unitek, Monrovia, CA, USA). Statistical analysis was carried out using the McNemar-Bowker test of symmetry (α = 0.05). For maxillary and mandibular arches, parabolic with short dimension (40%-43.3%) and elliptical (26.7%) forms were the most frequent ones. No significant differences were found between the classification methods for maxillary and mandibular arches. It may be concluded that CBCT images demonstrated satisfactory performance for the assessment of dental arch form during orthodontic diagnosis and treatment planning.

Keywords:

Cone-beam computed tomography; Dental arch; Dental models; Orthodontics.