Revista OrtodontiaSPO 2012 | V45N3 | Páginas: 267

Avaliação cefalométrica do padrão facial do respirador oral

Cephalometric evaluation of the facial pattern of mouth breathers

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Mario Cappellette Jr.*, Carolina Marins Ferreira da Costa**, Andre Besen***, Sheila Márcia Francisco****, Helder Inocêncio Paulo de Souza*****, Luc Louis Maurice Weckx******
*Doutor em Ciências - Unifesp. **Mestre em Ciências - USP. ***Especialista em Ortodontia - Unifesp. ****Especialista em Ortodontia - Famosp; Mestranda em Ciências - Unifesp. *****Especialista em Ortodontia - Unicastelo. ******Professor titular do Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça Pescoço - Unifesp.

Resumo:

Objetivo: na literatura, a respiração oral normalmente é associada com padrão facial hiperdivergente. O objetivo deste estudo foi avaliar o padrão de crescimento facial de crianças respiradoras orais, comparando quatro análises cefalométricas diferentes. Método: um estudo de caso controle foi realizado. Um grupo de 87 crianças respiradoras orais entre quatro e 14 anos e 28 respiradores nasais (controle) foi avaliado pelo otorrinolaringologista. Os sujeitos foram considerados respiradores orais quando apresentavam respiração oral, pelo menos durante a noite, por um período mínimo de seis meses. Radiografias cefalométricas em norma lateral foram utilizadas para avaliar o padrão de crescimento facial através de quatro análises diferentes: Ricketts, Jarabak, USP e McNamara. Resultados: os resultados demonstraram prevalência de indivíduos hiperdivergentes (estudo = 4,42%; controle = 46,42%) comparados com o número de indivíduos normodivergentes (estudo = 24,13%; controle = 17,85%) e hipodivergentes (estudo = 26,43%; controle = 35,78%) em ambos os grupos. A diferença entre os testes de proporção para as análises de Ricketts e Jarabak, comparando os grupos de estudo e controle, não foi significante. Mas, para as análises USP e McNamara, o teste foi significativo. Quando comparados os resultados dos índices de padrão facial das outras três análises, com os índices da análise de Ricketts, não foi encontrada relação significativa. Conclusão: com os resultados encontrados, pôde-se concluir que não existe diferença estatisticamente significativa entre o padrão facial das crianças respiradoras orais e respiradoras nasais, quando a análise de Ricketts é aplicada. Sugere-se que pesquisas futuras considerem análises cefalométricas mais acuradas para obtenção do padrão facial de crianças respiradoras orais.

Unitermos:

Respiração bucal; Cefalometria; Crescimento e desenvolvimento; Ortodontia; Desenvolvimento maxilofacial; Dimensão vertical.

Abstract:

Objective/aim: in literature, mouth breathing is in most cases associated with hiperdivergent face growth pattern. The goal of this study is to evaluate the facial skeletal pattern of mouth-breathing children, comparing four different cephalometric analyses. Method: a case-control study was performed. A group of 87 mouth-breathing subjects, with average age between 4 - 14 years, and 28 nasal breathing subjects were evaluated. Subjects were considered mouth breathers when presented mouth breathing at least during the night, for a minimum period of 6 months. Cephalometric x-rays in lateral norm were used to evaluate the facial pattern by four different analyses: Ricketts, Jarabak, USP and McNamara. Results: results showed a prevalence of hyperdivergent subjects (E = 49.42%; C = 46.42%) compared to the normodivergent (E = 24.13%; C = 17.85%) and hypodivergent (E = 26.43%; C = 35.78%) facial types in both groups. The differences between proportions tests for Ricketts and Jarabak cephalometric analysis, comparing the study and the control groups, were not significant. But, for USP and McNamara analysis, the test was statistically significant. The results of three other facial pattern indexes in cephalometric analysis were compared to the Ricketts analysis and it was not found a significant relationship. Conclusion: with the achieved results in this research, we conclude that there are no statistically significant differences in facial pattern of mouth breathing and nasal breathing children, when Ricketts analysis is applied. We suggest that Future researches should consider a more accurate cephalometric analysis to obtain facial growth pattern in mouth-breathing children.

Keywords:

Mouth breathing; Cephalometry; Growth and development; Orthodontics; Maxillofacial development; Vertical dimension.