Revista OrtodontiaSPO 2016 | V49N2 | Páginas: 125-31

Frequência dos padrões faciais em portadores da desordem temporomandibular

Frequency of facial patterns in patients with temporomandibular disorders

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Jean Soares Miranda1
Thayane Coelho Gomes Poubel2
Luciano Ambrósio Ferreira3
Thiago Fernandes4
Josemar Parreira Guimarães5

1Mestre em Clínica Odontológica – FO/UFJF.
2Graduada em Odontologia – FO/UFJF.
3Mestre em Clínica Odontológica – FO/UFJF.
4Especialista em Ortodontia – Suprema, Juiz de Fora.
5Doutor em Ciências Odontológicas, concentração em Ortodontia – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Resumo:

O objetivo deste estudo foi investigar a frequência dos diferentes padrões faciais (padrão I, II, III, face longa e face curta) em indivíduos portadores das desordens temporomandibulares (DTMs), diagnosticados através do eixo I do RDC/TMD. Também foi proposto avaliar a existência de associação entre esses padrões e a relação oclusal maxilomandibular dos pacientes (classe), além de aferir alguns ângulos e proporções tegumentares dos mesmos, a fim de relacioná-los com as diferentes faces encontradas. A amostra foi constituída de 55 pacientes portadores de DTM que não haviam realizado tratamento ortodôntico, e nem passado por cirurgia na boca ou na face. Foram utilizadas fotografias extraoclusais frontais e de perfil dos pacientes para classificação do padrão facial, assim como fotografias intraoclusais para a classificação de Angle. Para obtenção do ângulo de convexidade facial, ângulo do terço inferior da face, proporção do terço inferior da face e da altura facial anterior médio sobre a altura facial anterior inferior (Afam/Afai) foram realizadas marcações pontuais nas fotografias extraoclusais, através do software Radiocef Studio 1,0. Com a amostra de 55 pacientes, foi possível concluir que o padrão facial mais frequente foi o I (61,8 %), seguido pelos padrões II (21,8%) e III (16,4%). Foi demonstrado não haver associação entre as DTMs apresentadas pelos pacientes e os diferentes padrões faciais, porém, houve uma tendência das relações oclusais das classes acompanharem o padrão. Por fim, observou-se que as medidas angulares e as proporções faciais, que esta pesquisa se propôs avaliar, diferiram, em sua maioria, dos valores sugeridos pela literatura.

Unitermos:

Síndrome da disfunção da articulação temporomandibular; Padrão facial; Análise facial.

Abstract:

The aim of this study was to investigate the frequency of different facial patterns (I, II, III, short, and long types) in subjects with temporomandibular disorders (TMD), diagnosed by RDC/TMD axis I. Also, to evaluate the association between these patterns and occlusal maxillomandibular relationships, still measuring some angles and proportions of the same soft tissue in order to relate them to the different facial types found. The sample consisted of 55 patients with TMD, which had not undergone orthodontic treatment neither any surgery in the mouth or face. The facial pattern was classified by extra-oral (frontal and profile). The Angle malocclusions were classified by intra-oral photos. The facial convexity, lower third facial angle, the ratio between the lower third face and the middle third face height over the antero-inferior facial third height (MFTH/LFTH) were obtained by markings over the extra-oral photos using the Radiocef Studio 1.0. With a sample of 55 patients it was possible to conclude that the facial pattern I was the most frequent (61.8%), followed by patterns II (21.8%) and III (16.4%). There was no association between TMD and different facial patterns. However, the occlusal relationships follow the pattern. Finally, it was observed that the angular measurements and facial proportions, evaluated here differed from most of the values suggested in the literature.

Keywords:

Temporomandibular disorders; Facial patterns, Facial analysis.