Revista OrtodontiaSPO 2016 | V49N5 | Páginas: 414-20

Tratamentos da classe II, com e sem extrações, e sua influência na estética facial em longo prazo

*

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Cintia Helena Zingaretti Junqueira1
Guilherme Janson2
Lucas Marzullo Mendes3

1Mestra e doutora em Ortodontia – USP, Bauru; Especialista em Ortodontia e coordenadora da especialização em Ortodontia – Prev Odonto Centro de Estudos e Pesquisas; Graduada em Odontologia – USP; Membro internacional – World Federation of Orthodontics e American Board of Orthodontics.
2Professor titular do Depto. de Odontopediatria, Ortodontia e Saúde Coletiva, presidente da comissão de pós-graduação e coordenador dos cursos de mestrado e doutorado, e mestre, doutor e graduado em Odontologia – USP, Bauru; Membro internacional – World Federation of Orthodontics e American Board of Orthodontics.
3Mestre e doutor em Ortodontia – USP, Bauru; Especialista em Ortodontia – SPO, Botucatu/SP; Coordenador da especialização em Ortodontia – Speciale Saúde, Curitiba/PR; Graduado em Odontologia – PUC/PR; Membro internacional – World Federation of Orthodontics e American Board of Orthodontics.

Resumo:

Altamente prevalente, a má-oclusão de classe II pode ser tratada com extrações de pré-molares. Porém, o ortodontista teme a repercussão negativa delas na face dos pacientes. Quando podemos extrair sem este medo? Quais fatores considerar: idade, severidade, apinhamento, padrão facial, projeção nasal, ângulo nasolabial? Avaliações 15 anos após tratamento mostram a influência estética em longo prazo dos diferentes protocolos de extração em pacientes classe II.

Unitermos:

Estética; Ortodontia; Classe II de Angle; Extrações dentárias.

Abstract:

*

Keywords:

*