Revista OrtodontiaSPO 2016 | V49N6 | Páginas: 546-57

Avaliação do tratamento da classe II com o distalizador First Class em ancoragem convencional e esquelética

Evaluation of class II treatment with First Class distalizer in conventional and skeletal anchorage

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Roberto Henrique da Costa Grec1
José Fernando Castanha Henriques2
Patrícia Garcia de Moura Grec3
Mayara Paim Patel4

1Mestre e doutor em Ortodontia – FOB/USP.
2Professor titular da disciplina de Ortodontia – FOB/USP.
3Mestra em Saúde Coletiva – UFSC; Doutora em Saúde Coletiva – FOB/USP.
4Mestra e doutora em Ortodontia – FOB/USP.

Resumo:

O objetivo deste estudo longitudinal foi avaliar as alterações dentoesqueléticas e tegumentares de jovens com má-oclusão de classe II, tratados com distalizador First Class em dois tipos diferentes de ancoragem. Foram selecionados 30 pacientes e divididos em dois grupos de 15: G1 (recebeu o distalizador com ancoragem convencional no botão de Nance); e G2 (recebeu o distalizador com ancoragem esquelética apoiado em dois mini-implantes no palato). As telerradiografias foram obtidas antes e após a distalização dos molares para a realização das análises cefalométricas. O tempo médio de tratamento foi de 4,51 e 6,28 meses para G1 e G2, respectivamente. Ambos os grupos apresentaram alterações dentárias significantes com distalização (G1=2,39 mm; G2=2,21 mm), angulação distal (G1=10,51°; G2=4,49°) e intrusão (G1=0,53 mm; G2=0,10 mm) dos primeiros molares superiores. A perda de ancoragem foi semelhante entre os dois grupos, com significante mesialização (G1=2,78 mm; G2=3,11 mm) e angulação mesial (G1=4,95°; G2=4,69°) dos segundos pré-molares, protrusão (G1=1,55 mm; G2=1,94 mm) e vestibularização (G1=5,78°; G2=3,13°) significantes dos incisivos superiores e um aumento significante no trespasse horizontal (G1=1,07 mm; G2=0,81 mm). A mecânica de distalização não interferiu nos componentes esqueléticos e tegumentares dos pacientes. Em ambos os grupos, o distalizador First Class promoveu correção da relação molar, porém, apresentou efeitos de perda de ancoragem verificada nos pré-molares e incisivos superiores, mesmo quando associado a mini-implantes. Não houve diferença significante entre os grupos quanto às alterações dentárias lineares, porém, as angulares foram significantemente menores no grupo com ancoragem esquelética.

Unitermos:

Má-oclusão de Angle classe II; Procedimentos de ancoragem ortodôntica; Cefalometria.

Abstract:

The aim of this prospective study was to evaluate the dental, skeletal and soft tissue changes in youngsters with class II malocclusion treated with First Class distalizer in two different types of anchorage. Thirty patients were included and divided in two groups of 15. G1 that received distalizers with conventional anchorage (Nance button) and G2 that received distalizers with skeletal anchorage supported in two palatal mini-implants. Lateral cephalometric radiographs were taken before and after molar distalization for cephalometric analysis. The mean treatment period was 4.51 and 6.28 months for G1 and G2, respectively. Both groups showed significant dental changes with distalization (G1=2.39 mm; G2=2.21 mm), distal tipping (G1=10.51°; G2=4.49°) and intrusion (G1=0.53 mm; G2=0.10 mm) of maxillary first molars. Anchorage loss showed similar results in both groups with significant mesialization (G1=2.78 mm; G2=3.11 mm) and mesial tipping (G1=4.95°; G2=4.69°) of maxillary second premolars, significant protrusion (G1=1.55 mm; G2=1.94 mm) and proclination (G1=5.78°; G2=3.13°) of maxillary incisors and significant increase in overjet (G1=1.07 mm; G2=0.81 mm). The distalization mechanics did not interfere in patient's skeletal and soft tissue measurements. In both groups, the First Class distalizer corrected the molar relationship, however it showed anchorage loss effects in maxillary premolars and incisors even when associated to mini-implants. There was no significant difference between groups on dental linear changes, however the dental angular changes were significantly lower in the skeletal anchorage group.

Keywords:

Malocclusion; Angle class II; Orthodontic anchorage devices; Cephalometry.