Revista OrtodontiaSPO 2017 | V50N3 | Páginas: 236-41

Alterações esqueléticas após tratamento com tração reversa da maxila: estudo de casos clínicos

Skeletal changes after treatment with maxillary reverse traction: clinical trial cases

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Márcia Moura1
Heloisa Valdrigui2
Willian Custódio2
Vivian Fernandes Furletti3
Milton Santamaria Jr.3
Mário Vedovello Filho4

1Aluna de pós-graduação do curso de mestrado em Ortodontia; Mestrado em Ortodontia – FHO/Uniararas.
2Professores doutores do curso de mestrado em Ortodontia – FHO/Uniararas.
3Professores doutores dos cursos de mestrado em Ortodontia e Ciências Biomédicas – FHO/Uniararas.
4Professor doutor e coordenador do curso de mestrado em Ortodontia – FHO/Uniararas.

Resumo:

O objetivo deste estudo foi avaliar as alterações cefalométricas verticais e horizontais ocorridas na tração reversa da maxila. A amostra envolveu 15 pacientes de ambos os sexos, com idade entre sete e 15 anos, que apresentavam má-oclusão de classe III, perfil côncavo, retrusão maxilar com ou sem protrusão mandibular e trespasse horizontal negativo, caracterizando o padrão III. Uma vez selecionados, realizou-se a expansão rápida da maxila seguida de protração maxilar, durante um período de 12 a 18 meses, com uma força de 500 g aplicada bilateralmente. A comparação da posição da maxila antes e após o tratamento ortodôntico foi realizada pelo teste t pareado, e a análise de correlação de Pearson entre as alterações horizontais e verticais foi realizada considerando o nível de significância de 5%. Verificou-se alteração em especial no ponto A, refletindo em um avanço maxilar para frente e para baixo. O deslocamento para baixo da maxila promoveu rotação horária da mandíbula e o consequente aumento da altura facial anteroinferior. No teste de correlação entre as medidas horizontais e verticais, pôde-se verificar que, quanto maior as medidas verticais, menor a tendência de projeção do ponto A. Concluiu-se que o tratamento com o uso da máscara facial promoveu o aumento efetivo do tamanho da maxila e seu deslocamento para frente e para baixo, além da projeção dos incisivos superiores.

Unitermos:

Cefalometria; Má-oclusão de classe III; Tração maxilar.

Abstract:

The aim of the study was to analyze the vertical and horizontal changes of the maxilla, using cephalometric radiographs. The sample included 15 lateral cephalometric radiographs in lateral norm of patients of both genders, aged 7 to 15 years who had class III malocclusion, concave profile, maxillary retraction, with or without protrusion and negative overjet. There was a rapid maxillary expansion followed by maxillary protraction during a period of 12 to 18 months, with a force of 500 g. The comparison of the position of the jaw before and after orthodontic treatment was performed by t test analysis and Pearson correlation to analyze the horizontal and vertical changes, considering the significance level of 5%. There was a change especially at A point, reflecting in a forward and downward jaw movement. The downward of the jaw promoted rotation of the mandible and the consequent increase in the anterior inferior facial height. In the test of correlation between the horizontal and vertical measures, it was observed that the higher vertical measures lower projection of A point. It was concluded that treatment with maxillary protraction was effective in down and forward movement and projection of the upper incisors.

Keywords:

Cephalometry; Class III; Maxillary traction.