Revista OrtodontiaSPO 2018 | V51N5 | Páginas: 620-5

Tratamento da biprotrusão com distalização dentoalveolar com miniparafusos extra-alveolares

Extra-alveolar mini-screw placement to treat dentoalveolar biprotrusion

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Eduardo Mendes Gotardo1
Henrique Mascarenhas Villela2
Paulo Henrique Barbosa Stopa3

1Especialista em Ortodontia – ACDC; Especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares – CFO; Curso de Ortodontia – Universidade de Michigan, EUA; Professor responsável pelos cursos de aperfeiçoamento, atualização e especialização em Ortodontia – Centro de Estudos Ortogotardo.
2Especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial – ABO/BA; Mestrado em Ortodontia – Uniararas; Coordenador dos cursos de Aparelhos Autoligados e Miniparafusos – Iceo/CE, Unip/GO, ABO/BA e Ortogotardo/SP.
3Mestre em Ortodontia – Uniararas; Especialista em Ortodontia – CFO; Professor nos cursos de aperfeiçoamento, atualização e especialização – Centro de Estudos Ortogotardo.

Resumo:

A má-oclusão classe I de Angle é caracterizada por uma relação anteroposterior normal nos molares, que pode ou não estar acompanhada por alterações esqueléticas nos planos vertical ou transverso, ou dentárias. Os pacientes com biprotrusão apresentam projeção dentária de corpo em suas bases, além de poderem ter inclinação axial exagerada, lábios protrusos sem selamento e um perfil facial convexo. A escolha dos dentes a serem extraídos para a correção, geralmente, recai sobre os primeiros ou segundos pré-molares, devido à sua posição na arcada. Os miniparafusos ortodônticos (MPO) vêm sendo utilizados para reforço de ancoragem em pacientes portadores de classe I de Angle biprotrusos. Porém, as biprotrusões moderadas podem ser tratadas de diferentes formas e, muitas vezes, geram dúvidas sobre qual terapêutica utilizar. A extração de pré-molares pode ser evitada quando se utiliza a ancoragem esquelética como recurso para retrair os dois arcos, com a inserção dos miniparafusos em áreas extra-alveolares, o que permite maior versatilidade de movimentos ortodônticos, uma vez que as raízes não interferem no deslocamento dentário. Esta abordagem traz vantagens, como: diminui o tempo de tratamento em relação à terapêutica com exodontias, simplifica a mecânica ortodôntica, não reduz o volume de dois pré-molares no sorriso e não aumenta a sobremordida nem a exposição gengival.

Unitermos:

Biprotrusão; Ancoragem esquelética; Extrações.

Abstract:

Angle's Class I malocclusion is characterized by a normal sagittal molar relationship, which may or may not be accompanied by skeletal changes in the vertical, transverse or dental  planes. Patients with biprotrusion present a dental projection of the body at their bases, in addition to having excessive axial inclination, protruding lips without sealing, and a convex facial profile. The choice of teeth to be extracted for correction usually falls on the first or second premolars due to their position in the arch. The orthodontic mini-screws (MPO) have been used for reinforcement of anchorage in biprotrusive patients with Angle's Class I. Miniscrew insertion at extra-alveolar areas allows for greater versatility of orthodontic movements, since the roots do not interfere in the dental displacement. However, moderate biprotrusions can be treated in different ways and often raise questions about which therapy to use. Extraction of premolars can be avoided when skeletal anchorage is used as an anchoring feature to retract the two arches. This approach has advantages such as: shortening treatment time in relation to extraction therapy, simplification of orthodontic mechanics, reduction of the volume of two premolars in the smile, and lack of overbite or gingival exposure increasing.

Keywords:

Biprotrusion; Skeletal anchorage; Tooth extraction.