Revista OrtodontiaSPO 2018 | V51N6 | Páginas: 735-42

Vinte e três anos de acertos, erros e evolução no tratamento da má-oclusão de classe II

Twenty-three years of successes, failures, and evolution in the treatment of class II malocclusion

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Fausto Silva Bramante1
Bolivar Pimenta Junior2
Omar Alexander Beltré Díaz3

1Mestre e doutor em Ortodontia – FOB/USP; Professor e coordenador de especialização em Ortodontia – Pontifícia Universidade Católica Madre e Maestra, República Dominicana; Professor e coordenador de especialização em Ortodontia – Sociedade Botucatuense de Ortodontia (SOB); Professor de especialização em Ortodontia da Unorp e Facop.
2Especialista em Ortodontia, curso de educação continuada – Universidade de Nova York; Coordenador do curso de Sistemas Autoligáveis – Soep, Porto Velho; Professor de pós-graduação em Ortodontia – Atitude Centro de Ensino, Rondonópolis; Professor convidado de especialização em Ortodontia – PUCMM, República Dominicana.
3Mestre em Prótese Dentária, especialista em Ortodontia e Pedagogia Universitária, coordenador acadêmico e professor de mestrado em Prótese e Implantodontia, e da especialização em Ortodontia, professor da graduação em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica Madre e Maestra – PUCMM, República Dominicana.

Resumo:

A má-oclusão de classe II é uma alteração ou desvio que pode ser considerado dentário ou dentoesquelético. Entre as estruturas envolvidas nessa má-oclusão, citamos a protrusão dentária superior, a retrusão dentária inferior, a protrusão dentoalveolar superior ou a retrusão mandibular. O diagnóstico correto das partes envolvidas é de suma importância, já que está intimamente vinculado ao prognóstico, plano de tratamento e aparelhos a serem utilizados. O escopo deste artigo foi fazer uma viagem no tempo, relembrando toda a evolução pela qual passaram a Ciência e a Ortodontia, mais ou menos há duas décadas, no âmbito clínico do tratamento dessa má-oclusão, com seus acertos e erros, suas vantagens e desvantagens. Iniciamos nossa retrospectiva com os aparelhos extrabucais, as clássicas extrações de dois ou quatro pré-molares, passando pelos distalizadores intrabucais fixos e pelos propulsores mandibulares, e finalizando com os mini-implantes e os braquetes autoligáveis.

Unitermos:

Má-oclusão de Angle classe II; Ortodontia; Aparelhos ortodônticos.

Abstract:

The Class II malocclusion is an alteration or deviation that may be considered as dental or dentoskeletal. Among the structures involved in this malocclusion, we mention superior protrusion, inferior retrusion, superior dentoalveolar protrusion, or mandibular retrusion. The correct diagnosis of the parts involved is very important, for it is closely linked to the prognosis, the treatment plan, and the appliances to be used. The scope of this article was a journey back in time, recalling the evolution of Science and Orthodontics in the past two decades in the clinical context of the treatment of this malocclusion, including its successes and failures, advantages and disadvantages. We begin our backward glance with extraoral appliances and the classic extraction of two or four premolars, proceed to fixed intraoral distal molar movement and mandibular protraction appliances, and then to mini-implants and self-ligating brackets.

Keywords:

Malocclusion Angle Class II; Orthodontics; Orthodontic appliances.