Publicado em: 06/12/2017 às 09h24

Ortodontia Biocriativa

A técnica Biocriativa possibilita movimentos mais controlados e resultados rápidos utilizando a ancoragem esquelética, menor atrito nos movimentos e intervenções cirúrgicas.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Nesta edição da Ortodontia Atual, convidamos os professores Luiz Fernando Eto* e Seong-Hum Kim* para dividir conosco sua experiência sobre o assunto.


A Ortodontia Biocriativa ou Biocreative Strategy é uma filosofia de tratamento ortodôntico criada em Seul, na Coreia do Sul, pelo professor Kyu-Rhim Chung. Ela se baseia na utilização de mini-implantes com superfície tratada para maior aderência (chamados C-implant) e/ou miniplacas (chamadas C-tube ou C-palatal plates) para obter movimentos mais controlados dos dentes ou seções alveolares, propiciando um tratamento ortodôntico mais efetivo e eficiente, com o menor tempo possível de uso de braquetes e fios.

Esta técnica é praticada desde o ano 2000 na Coreia do Sul, principalmente dentro da Universidade Kyung Hee, e vem se mostrando cada vez mais em consonância com os principais objetivos e demandas dos tratamentos ortodônticos atuais. O suporte científico desta técnica está descrito em mais de 100 artigos publicados em revistas participantes do PubMed.

Sendo assim, esse é um conceito de tratamento ortodôntico inovador usando mini-implantes e miniplacas, independentemente de aparelhos ortodônticos, em dentes posteriores para preparo de ancoragem. Esta terapia biocriativa aumenta o conforto para o paciente durante o tratamento ortodôntico, pois permite desenhos simples de aparelhos ortodônticos, aumenta a eficiência, possibilita a abordagem de más-oclusões com severas discrepâncias esqueléticas, expande as opções de planos de tratamentos e também reduz a duração do tratamento, quando comparado à mecânica ortodôntica convencional e considerando condições similares de má-oclusão. Também faz parte dessa filosofia a abordagem de procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos realizados com anestesia local, visando um rápido movimento dos dentes ou imediato movimento de seções alveolares via osteotomia. Ela tem atuação nas dentições mistas e permanentes com um protocolo próprio de atuação, que viabiliza a abordagem em pacientes com limitações anatômicas, buscando seguir seis princípios para obter a oclusão fisiologicamente estável:

1. Solucionar as limitações do osso alveolar (anatomia, qualidade e quantidade);

2. Buscar a posição terapêutica do côndilo;

3. Focar nos “dentes problemáticos”, que são alvos do tratamento;

4. Mínimo uso de TADs, com o máximo impacto deste uso;

5. Observar a postura da língua;
 
6. Não expandir o osso alveolar.

Conforme descrito a seguir, os princípios utilizados na técnica são: C-implant (mini-implante com osteointegração parcial); C-tubes (miniplacas com tubo); C-palatal plate (miniplacas para o palato); C-lingual retractor (aparelho retrator anterior); corticotomia e osteotomia.


C-implant (mini-implante com osteointegração parcial)

Mini-implante com desenho especial, com superfície jateada e rugosa atacada com ácido. O potencial de osseointegração desses mini-implantes permite uma grande resistência contra forças de rotação. Este mini-implante diferenciado tem 1,8 mm de diâmetro e 8,5 mm de comprimento em sua versão mais utilizada. Ele possui uma cabeça escamoteável que tem um tubo de 0,8 mm de diâmetro e que é presa ao corpo do mini-implante por fricção. Em sua utilização clássica (casos de extração de pré-molares e fechamento de espaços), este tubo funciona como um tubo de molar e recebe, logo no início do tratamento, um fio retangular que vem dos dentes anteriores durante a mecânica de retração. Estes dentes anteriores também não recebem alinhamento prévio. Desta forma, não são colados braquetes posteriores durante a retração dos dentes anteriores. Isso permite uma mecânica de retração controlada, eficaz e eficiente, com quase nenhum atrito – por isso mesmo, essa técnica é mais rápida do que a convencional. Após o final da retração, será montado o aparelho fixo na região posterior para o alinhamento e nivelamento dos arcos. Nos casos em que a queixa principal é a protrusão dentária, esta abordagem de fazer a retração inicialmente e só depois alinhar e nivelar os dentes pode ser chamada de “Ortodontia de benefício antecipado”.

Figuras 1 – A. C-implant, com multifuncionalidades para ancoragem absoluta. B. Mini-implante com características de osteointegração e baixa taxa de insucesso para implantes inter-radiculares.

 


C-tubes (miniplacas com tubo)

 

São miniplacas de tamanho muito inferior às miniplacas convencionais, de titânio puro, que podem ser instaladas em vários locais da maxila e mandíbula, e permitem um amplo espectro de funções em locais onde os mini-implantes não estejam indicados (como espaço inter-radicular muito estreito, seio maxilar muito extenso, severa perda óssea alveolar, raízes dilaceradas e tratamentos de distalização. Seu comprimento padrão é de 16,5 mm e 3,2 mm de largura). Possuem dois orifícios para instalação dos parafusos (que podem ter 4 mm ou 5 mm de comprimento). Na sua extremidade, possuem um tubo de 0,9 mm que receberá os fios retangulares do aparelho fixo. Devido ao pequeno tamanho e às facilidades de acesso em sítios na maxila e mandíbula, o próprio ortodontista pode executar esta instalação.

Figuras 2 – A. C-implant. B. C-tube. C. C-palatal plate.

 


C-palatal plate (miniplacas para o palato)

 

É uma miniplaca específica para ser instalada no palato. Possui três orifícios para a inserção de parafusos e dois braços laterais que vão permitir o apoio para a ancoragem de retração anterior e para intrusão de molares, ou mesmo as duas funções ao mesmo tempo. Pode ser instalada sobre a mucosa ou com incisão da mucosa, dependendo da espessura da mucosa palatina na região a ser instalada.

Figura 3 – C-palatal plate posicionado na boca.

 


C-lingual retractor (aparelho retrator anterior)

 

É um aparelho que une os seis dentes anteriores, transformando-os em um só bloco e permitindo que sejam retraídos em conjunto em casos de extração de dentes e necessidade de retração. Este aparelho é confeccionado com tela para aderência, fio pesado (0,9 mm) e braço de força que passa pelo centro de resistência dos dentes anteriores, para retração em bloco deste segmento com controle de torque. Desta maneira, teremos os três pontos de interesse para os cálculos da biomecânica: o ponto de origem da força (miniplaca no palato), o ponto de aplicação da força (a extremidade final do braço de força do C-lingual retractor) e o centro de resistência do conjunto de dentes envolvidos no aparelho. Assim, consegue-se controlar o torque, a inclinação e a intrusão ou extrusão dos dentes a serem retraídos.

Figura 4 – C-lingual retractor polido no modelo de gesso.

 


Corticotomia e osteotomia

 

Procedimentos cirúrgicos feitos em consultório com anestesia local, com o objetivo de provocar o movimento do segmento de dentes, em casos em que existe risco de movimentação dos dentes (casos periodontais mais graves ou casos de relação dente/osso alveolar desfavorável) ou quando se deseja diminuir o tempo de tratamento ortodôntico que envolva retrações de dentes. O fato de movimentar segmentos ósseos maxilomandibulares, por vezes, possibilita abordagens ortodônticas de casos originalmente cirúrgicos (aumentando o alcance de movimento dos dentes).

Figura 5 – Tomografia de face mostrando corticotomia da maxila e osteotomia da mandíbula.

 


Aplicações clínicas

 

A seguir, serão apresentadas duas aplicações clínicas clássicas da filosofia biocriativa, uma por vestibular e outra por lingual.


Caso clínico 1

Este caso descreve o tratamento de uma menina com 14,5 anos de idade, classe I de canino e molar com biprotrusão severa. Foi utilizado um mini-implante especial com superfície tratada e um tubo na extremidade (C-implant) colocado na região mesial dos primeiros molares superiores e inferiores. O aparelho fixo foi montado excluindo a região posterior (pré-molares e molares), na intenção de criar uma mecânica ortodôntica de menor atrito, mais rápida e sem efeitos colaterais nos dentes posteriores (unidade de ancoragem). O potencial de osteointegração destes mini-implantes permite um movimento tridimensional controlado dos dentes anteriores durante a retração. Neste mini-implante, são apoiados elásticos de retração parcial dos caninos, retração dos seis dentes anteriores e elásticos intermaxilares (quando necessário). O tempo total deste tratamento foi de 18 meses. Todos os detalhes deste caso estão descritos no artigo que relata a filosofia da técnica e o emprego dos C-implants (Am J Orthod Dentofacial Orthop 2007;132:105-15).

Figuras 6 – Fotos intra e extrabucais niciais do caso. Note a biprotrusão dentoalveolar excessiva.

 

 

 

Figuras 7 – Telerradiografia e radiografia panorâmica iniciais do caso.

 

 

 

Figuras 8 – Foto intermediária mostrando a mecânica da técnica Biocriativa instalada. Aparelho fixo somente em dentes anteriores, com os braços de força passando pelo centro de resistência do conjunto dos dentes anteriores e apoio do fio na região posterior no tubo do C-implant.

 

 

 

Figuras 9 – Fotos intrabucais finais do caso. Espaços das extrações dos primeiros pré-molares totalmente fechados e mecânica concluída sem necessidade do uso de braquetes na região posterior.

 

 

 

Figuras 10 – Fotos do perfil e das telerradiografias em sequência mostrando a diminuição acentuada da biprotrusão corrigida pelo uso da ancoragem absoluta.

 

 

 

Figura 11 – Superposição total e parcial do caso mostrando a estabilidade de posição dos dentes posteriores e o controle da retração dos dentes anteriores.

 

 

 


Caso clínico 2

A retração, quando executada com aparelho colado pela superfície lingual dos dentes, oferece possibilidade de ancoragem utilizando miniplaca palatina (C-palatal plate), que possibilita retração controlada associada ou não à intrusão. A direção de força oriunda do palato facilita este movimento da linha de ação de força que passa pelo centro de resistência dos seis dentes anteriores a serem retraídos. É importante esclarecer que este sistema de retração, normalmente, necessita de aparelho fixo após a retração para alinhamento dos arcos. Aqui, novamente foi realizada uma inversão na sequência do tratamento ortodôntico, no qual inicialmente foi realizada a retração e somente depois foram feitos o alinhamento e nivelamento dos arcos.

A técnica Biocriativa, implantada, estudada e fartamente publicada pelos sul-coreanos desde 2001, possui conceitos biomecânicos que procuram realizar os movimentos dentários com o mínimo de atrito, utilizando poucos fios e braquetes, e o máximo de eficiência mecânica, utilizando mini-implantes e miniplacas específicas para conseguir sempre um movimento de translação dos dentes. O objetivo é possibilitar tratamentos ortodônticos eficientes e eficazes em casos de alta complexidade, e com o tempo de tratamento consideravelmente menor quando comparado às mecânicas convencionais.

Figuras 12 – Vista oclusal da evolução de um caso com extração dos primeiros pré-molares superiores e retração realizada com aparelho C-lingual retractor colado aos seis dentes anteriores e uma miniplaca (C-palatal plate) servindo de ancoragem.

 

 

 

Figuras 13 – Vista lateral do lado direito mostrando o fechamento do espaço da extração do pré-molar e o controle de torque obtido com este tipo de aparelho.

 

 

 

Figuras 14 – Radiografias laterais da face. A. Direção da linha de ação de força entre a miniplaca e o extremo do braço de força utilizado. B. Resultado final desta retração com o controle de torque dos dentes.

 

 

 


Referências

1. Kim SH, Park YG, Chung K. Severe class II anterior deep bite malocclusion treated with a c-lingual retractor. Angle Orthod 2004;74:280-5.

2. Chung KR, Kim SH, Kook Y. C-Orthodontic microimplant for distalization of mandibular. Dentition in class III correction. Angle Orthod 2004;75:119-28.

3. Chung KR, Cho JH, Kim SH, Kook YA, Cozzani M. Unusual extraction treatment in class II division 1 using c-orthodontic mini-implants. Angle Orthodontist 2007;77(1).

4. Chung KR, Nelson G, Kim SH, Kook YA. Severe bidentoalveolar protrusion treated with orthodontic microimplant-dependent en-masse retraction. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2007;132:105-15.

5. Chung KR, Kook YA, Kim SH, Mo SS, Jung JA. Class II malocclusion treated by combining a lingual retractor and a palatal plate. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2008;133:112-23.

6. Kim SH, Yoon HG, Choi YS, Hwang EH, Kook YA, Nelson G. Evaluation of interdental space of the maxillary posterior area for orthodontic mini-implants with cone-beam computed tomography. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2009;135:635-41.

7. Chung KR, Jeong DM, Park HJ, Kim SH, Nelson G. Severe bidentoalveolar protrusion treated with lingual Biocreative therapy using palatal miniplate. Korean J Orthod 2010;40(4):276-87.

8. Mo SS, Kim SH, Kook YA, Jeong DM, Chung KR, Nelson G. Resistance to immediate orthodontic loading of surface-treated mini-implants. Angle Orthod 2010;80:123-9.

9. Kima JS, Kimb SH, Kookc YA, Chungd KR, Nelson G. Analysis of lingual en masse retraction combining a C-lingual retractor and a palatal plate. Angle Orthod 2011;81:662-9.

10. Chung KR, Kim SH, Kang YG, Nelson G. Orthodontic miniplate with tube as an efficient tool for borderline cases. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2011;139:551-62.

11. Nelson G, Ahn HW, Jeong SH, Kim JS, Kim SH, Chung KR. Three-dimensional retraction of anterior teeth with orthodontic miniplates in patients with temporomandibular disorder. Am J Orthod Dentofacial Orthop 2012;142:720-6.

12. Kima SH, Choib JH, Chungc KR, Nelson G. Do sand blasted with large grit and acid etched surface treated mini-implants remain stationary under orthodontic forces? Angle Orthod 2012;82:304-12.

13. Shin YS, Ahn HW, Park YG, Kim SH, Chung KR, Cho IS et al. Effects of predrilling on the osseointegration potential of mini-implants. Angle Orthod 2012;82:1008-13.

14. Moa SS, Kimb SH, Sungc SJ, Chungd KR, Chune YS, Kooka YA et al. Torque control during lingual anterior retraction without posterior appliances. Korean J Orthod 2013;43(1):3-14.

15. Kook YA, Lee DH, Kim SH, Chung KR. Design Improvements in the modified C-Palatal plate for molar distalization. J Clin Orthod 2013;48(4).

16. Seo KW, Kwon SY, Kim KA, Park KH, Kim SH, Ahn HW. Displacement pattern of the anterior segment using antero-posterior lingual retractor combined with a palatal plate. Korean J Orthod 2015;45(6):289-98.

17. Seo KW, Iskenderoglu NS, Hwang EH, Chung KR, Kim SH. Miniplate with a bendable C-Tube head allows the clinician to alter biomechanical advantage in extremely complicated anatomic structure. J Craniofac Surg 2016.

 

 
   


Coordenador de conteúdo:

Alexander Macedo

 


 

 
   


 * Luiz Fernando Eto

Especialista e mestre em Ortodontia – PUC-Minas; Professor do curso de residência em Ortodontia Estética – Unicsul; Professor convidado do Depto. de Ortodontia – Universidade de Kyung Hee (Seul, Coreia do Sul); Membro do BBO.

 


 

 


 * Seong-Hun Kim

PhD em Ortodontia – Universidade Nacional de Seul (Coreia do Sul); Professor chefe do Depto. de Ortodontia – Universidade de Kyung Hee (Seul, Coreia do Sul).