Publicado em: 04/04/2018 às 13h15

O poder do oxigênio na Ortodontia

Como a nova geração de produtos à base de oxigênio ativo pode promover resultados mais eficientes nos tratamentos com braquetes e alinhadores.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Os produtos Bluem liberam oxigênio lentamente em uma concentração terapêutica ao entrar em contato com os fluidos corporais. (Imagem: Shutterstock)


O sucesso dos tratamentos ortodônticos vai além dos aspectos funcionais e da estética final. Para alcançar a satisfação do paciente, é preciso levar em consideração também a aparência dos dentes durante o tratamento – e essa é uma demanda crescente nos consultórios, principalmente entre adolescentes e jovens, que estão mais suscetíveis ao padrão de beleza reproduzido nos meios de comunicação.

Esse apelo estético resulta em algumas complicações secundárias, que podem ser um desafio para o ortodontista. Uma delas é a perda da estética dos alinhadores e dos braquetes estéticos, que com o passar do tempo sofrem mudanças na pigmentação, causando descontentamento do paciente – e, em alguns casos, abandono do tratamento.

Para reverter esses problemas, a indústria de produtos para higiene oral desenvolveu soluções que promovem a limpeza dos aparelhos ortodônticos e auxiliam na manutenção da boa aparência, porém sem interferir no curso do tratamento – como é o caso da linha Bluem, comercializada pela Eurodonto. Composta por creme dental, gel oral, espuma oral e spray oral, a linha foi desenvolvida a partir de uma pesquisa realizada em 1976, pelo Dr. Peter Blijdorp, reconhecido cirurgião bucomaxilofacial e implantodontista da Holanda, que descobriu que o uso de oxigênio ativo tem um efeito positivo no reparo e na manutenção de gengiva, dentes e implantes. “Os produtos Bluem contêm alta concentração de oxigênio, em parte derivado das enzimas do mel. O uso de baixas concentrações de perborato de sódio e da enzima glicose oxidase promove um processo mais rápido de cura. A pesquisa indica ainda que a presença contínua de baixa concentração de peróxido de hidrogênio é uma forma muito eficaz para eliminar as bactérias patogênicas”, explica Daniel Gheur Tocolini, mestre em Ortodontia e doutorando em Odontologia Clínica. 

Sendo assim, os produtos Bluem liberam oxigênio lentamente em uma concentração terapêutica ao entrar em contato com os fluidos corporais, como a saliva, eliminando bactérias nocivas e melhorando a cicatrização. Essa ação se diferencia do perborato de sódio puro, o qual produz uma breve explosão de oxigênio sem efeito terapêutico. Já as enzimas no mel têm um efeito antisséptico e anti-inflamatório, eliminam as bactérias causadoras da placa dentária e acalmam as inflamações gengivais e úlceras bucais. Outro diferencial é a presença de xilitol, um poderoso antibacteriano. “Quem utiliza aparelho ortodôntico sempre necessita de um cuidado a mais na higiene para manter os braquetes limpos. Além disso, o tratamento ortodôntico é relativamente longo e o paciente pode perder a motivação para fazer a higienização corretamente. Ter um aliado que ajude o ortodontista a conservar a boca do paciente limpa torna o tratamento menos trabalhoso para os dois”, comenta Iduilton J. Grabowski Junior, mestre em Ortodontia. 

 

Alinhadores sempre limpos

Os alinhadores e as contenções termoplásticas contam com a facilidade de remoção a qualquer momento para realizar a higiene e a escovação dos dentes, mas, ainda assim, esses aparelhos podem apresentar mudança de coloração e mau odor. Por isso, um dos protocolos recomendados pelos ortodontistas é escovar a placa com o creme dental Bluem e, posteriormente, aplicar uma camada de espuma Bluem no alinhador antes de colocá-lo na boca. “O produto ficará em contato com os tecidos bucais por mais tempo, protegendo-os e livrando-os de bactérias nocivas”, afirma Grabowski Junior.

Segundo Odilon Souza, mestre e especialista em Ortodontia, clinicamente, nota-se que os alinhadores que ficam na boca do paciente por 15 dias, assim como os que são trocados a cada sete dias, têm mantido a estabilidade de cor, sem amarelar, e com um efeito bônus de clarear  o dente. “Os pacientes não se queixam mais do cheiro dos alinhadores, o que gerava um grande problema, pois queriam trocar antes do tempo correto. Alguns relatavam náusea por causa do odor”, justifica. Hoje, o seu protocolo para os alinhadores é a escovação diária com o creme dental Bluem pela manhã, após as refeições, e à noite, antes de dormir. E também, sempre antes de colocar o alinhador na boca, saturar com o Bluem espuma. “Não usamos mais a orientação de deixar o aparelho imerso em soluções aquosas por cinco minutos para a higienização, pois há o risco de distorção do aparelho, já que o acetato (material que compõe a placa) é muito hidrofílico. Já ocorreu também de o paciente colocar o alinhador em água fervendo para fazer a limpeza”, adiciona.

(Imagem cedida por Odilon Souza)



Funcionamento perfeito dos autoligados

 Dentre os cuidados necessários para manter a boa aparência dos braquetes estéticos está evitar o uso de abrasivo, tanto pelo paciente (com cremes dentais abrasivos) quanto pelo profissional (com os jatos de bicarbonato), o que pode criar sulcos que servem de nichos para os pigmentos se instalarem, alterando a coloração do braquete. “Nesse quesito, o uso do creme dental Bluem transformou a rotina do consultório, pois ele não é abrasivo. Nos braquetes estéticos e metálicos, o protocolo utilizado é a escovação com o creme dental Bluem quatro vezes ao dia associado ao bochecho com o enxaguatório Bluem pela manhã e à noite. Com essa prática, percebi uma contribuição muito positiva no processo de manutenção estética de braquetes e alinhadores”, justifica Souza.

De acordo com ele, em pouco tempo é possível observar ótimos resultados clínicos. “Os pacientes tratados com braquetes autoligados, que normalmente têm intervalo entre as consultas de 60 a 80 dias, são orientados a usar o creme dental Bluem de duas a três vezes ao dia e o enxaguatório pela manhã e à noite. Clinicamente, notamos que o mecanismo de abertura e fechamento dos braquetes se mantém fácil de abrir como no início do tratamento, provavelmente, pelo menor acúmulo de tártaro. Além disso, tanto o fio quanto o slot também são conservados mais limpos, o que, teoricamente, melhora a mecânica de deslize no sistema, pois evita o atrito causado pelo tártaro”, descreve.

 

(Imagens cedidas por Daniel Gheur Tocolini)



Periodonto protegido

O paciente com aparelho ortodôntico, que não faz a higiene dentária correta, pode sofrer com a gengiva edemaciada e sangrando – condições que, se não tratadas, podem evoluir para periodontite e bolsas periodontais. “O Bluem age diretamente na placa e na gengivite controlando as bactérias nocivas, reduzindo e prevenindo inflamações. Claro que toda periodontite e gengivite devem ser tratadas adequadamente por um profissional da área, porém, como método de prevenção e controle, pode-se recorrer a esses produtos”, destaca Grabowski Junior.

Souza afirma que o protocolo para pacientes com problemas periodontais que necessitam de tratamento ortodôntico é um pouco diferente. Ele recomenda usar o creme dental quatro vezes ao dia e o enxaguatório pelo menos três vezes ao dia. “A liberação do oxigênio controla as bactérias anaeróbias, que normalmente estão presentes nas doenças periodontais. Apesar de ser um uso significativamente maior, o Bluem não tem os efeitos da clorexidina, como perda de paladar, e por ser um produto fitoterápico, não tem contraindicação”, finaliza.

 

Matéria sob demanda desenvolvida pela VM Branded.