Publicado em: 31/08/2018 às 14h22

Próteses protocolo com sobrecontorno

Marco Bianchini debate o problema, causado muitas vezes pelo esquecimento dos princípios protéticos.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Todos nós já estamos cansados de saber, ouvir e ler que o tratamento com implantes dentários começa antes do procedimento cirúrgico. O planejamento envolve diferentes parâmetros, desde a disponibilidade óssea para receber os futuros implantes, passando pelo sistema de implantes a ser utilizado, e chegando na posição e no número deles. Porém, o principal parâmetro a ser planejado, que é a restauração protética, através de uma abordagem comumente denominada como “planejamento reverso”, muitas vezes é totalmente esquecido pelos implantodontistas.

O implantodontista deve tentar sempre idealizar o resultado protético final por meio de um enceramento diagnóstico, uma montagem de dentes ou até um modelo impresso. Assim, o especialista será capaz de obter informações fundamentais para a apropriada realização do procedimento cirúrgico que, além da instalação dos implantes, pode envolver também procedimentos de regularização óssea e regenerações. Tudo isso deveria ser guiado pelo planejamento protético. Entretanto, infelizmente, os recursos mais utilizados no planejamento cirúrgico são somente as radiografias e/ou tomografias.

Entre as consequências de uma falha no planejamento, as próteses com sobrecontornos são muito frequentes. O objetivo de entregar soluções estéticas nos leva a esquecer dos princípios protéticos, e é fácil o acúmulo de placa e praticamente impossível a higiene por parte dos pacientes. Isso acaba desencadeando uma inflamação dos tecidos peri-implantares que podem levar a uma perda óssea, também conhecida como peri-implantite. As figuras 1 e 2 demonstram esse tipo de situação.

Figura 1 – Prótese protocolo removida do paciente após alguns meses de uso. Observar os sobrecontornos existentes e o acúmulo de biofilme.

 

Figura 2 – Prótese protocolo recém-concluída, mas ainda não instalada na boca do paciente. Observar os extensos sobrecontornos que certamente dificultarão a autolimpeza e a higiene, causando um intenso acúmulo de placa.

 

O que ocorre é que, quando o tratamento não inclui a lógica protética, o resultado pode ser imprevisível. Muitas vezes são necessárias mudanças dramáticas no meio do caminho ou a invenção de soluções por fora dos parâmetros estabelecidos. Essa criatividade comumente floresce na etapa protética, quando os implantes osseointegrados não deixam outra alternativa, impossibilitando com frequência que a saúde, função e a estética possam interagir em harmonia.

Por outro lado, quando obedecemos aos princípios do planejamento reverso, são executadas próteses com contornos apropriados. Elas facilitam a higiene e a manutenção dos tecidos peri-implantares saudáveis, diminuindo os riscos de mucosite e peri-implantite, melhorando a qualidade de vida do pacientes. A figura 3 demonstra uma prótese protocolo sem sobrecontornos.

Figura 3 – Prótese protocolo sem sobrecontornos. Observar a ausência de extensões de resina para compensação estética.

 

Lamentavelmente, apesar de esse ser um assunto bastante batido, as próteses sobre implantes tipo protocolo com sobrecontornos continuam sendo uma realidade em nossos consultórios. Cada vez mais sobe o número de pacientes que se apresentam com mucosite e/ou peri-implantite devido a este tipo de prótese, que são confeccionadas de maneira equivocada. Essa constatação só colabora para a diminuição da saúde bucal e peri-implantar dos pacientes, além de diminuir a qualidade de vida dos clientes, que procuraram realizar um tratamento com implantes para obterem mais conforto em suas vidas e acabam ganhando mais um problema de saúde a ser tratado.

 

Colaborou: Dr. Edwin Ruales Carrera – Especialista, Mestre e Doutorando em Implantodontia na UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina.

 

“Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço. Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa”. (João 15, 10-11)

 

 
   


Marco Bianchini

Professor associado II do departamento de Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); autor dos livros "O Passo a Passo Cirúrgico na Implantodontia" e "Diagnóstico e Tratamento das Alterações Peri-Implantares".

Contato: bian07@yahoo.com.br