Publicado em: 10/09/2018 às 16h21

Como evitar erros comuns na gestão da clínica

Cada detalhe da clínica deve ser pensado levando-se em consideração as particularidades e o estilo do profissional.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
É preciso tomar cuidado para que as escolhas e atitudes não se tornem algo negativo. (Imagem: Shutterstock)

 

O modelo do consultório é resultado de um conjunto de decisões que precisamos tomar e que impactará na equipe de colaboradores, no perfil do paciente atendido e na maneira como o profissional será visto. Sendo assim, é preciso tomar cuidado para que algumas escolhas e atitudes não se tornem algo negativo. A seguir, confira algumas dicas.

 

Erros pessoais: seria um equívoco estruturar uma clínica que foge do perfil pessoal do proprietário. Ela é representada pelo profissional que trabalha nela e, geralmente, é preparada e gerida por pessoas que têm algum relacionamento com este profissional. Por exemplo, se uma pessoa muito simples montar uma clínica sofisticada, terá dificuldades em se adaptar. Além disso, a equipe de colaboradores deve ter o perfil que a clínica pretende transmitir aos pacientes.

Decoração: independentemente do estilo – seja arrojado, tradicional ou eclético –, é necessário que a clínica tenha espaço físico suficiente e se adeque à ideia. O profissional e o ambiente compõem um combo de trabalho oferecido ao paciente, então é interessante que sejam coerentes.

Equipe: o profissional deve sempre tratar os funcionários de forma gentil e educada. Normalmente, os pacientes têm baixa aceitação a ambientes conflituosos. É preciso oferecer uma atmosfera acolhedora e tranquila, já que o paciente pode chegar tenso e inseguro por medo de sentir dor e, se for a primeira consulta, ainda não conhece o profissional que irá atendê-lo. Ou seja, são inúmeras variáveis e ele precisa sentir que todos estão preocupados com o seu atendimento.

Hobby: o profissional pode ter hobbies, porém não deve transparecer que suas atividades de lazer são mais importantes do que a sua profissão e a sua clínica. O paciente precisa ser tratado com atenção especial e se sentir exclusivo.

Gestão tributária: a escolha entre pessoa física e jurídica dependerá da relação entre despesas e faturamento. Pessoas jurídicas com lucro presumido só funcionam bem com uma margem larga, pois a tributação ficará na faixa de 18% do faturamento bruto apresentado à Receita Federal. Já a pessoa física chega a 27,5% do faturamento líquido. Vale lembrar que muitos pacientes precisam de recibo para reembolso de convênio e para a declaração do imposto de renda.

Portanto, cada detalhe da clínica deve ser pensado levando-se em consideração as particularidades e o estilo do profissional, além da formação da equipe – tudo isso para oferecer ao paciente um atendimento único.

 

 

Flavio Falcão Bauer

Graduação e mestrado pela Universidade de São Paulo (Fousp).