Publicado em: 20/02/2019 às 09h15

Tecnologia digital oferece novidade no tratamento ortodôntico de crianças

Alinhador ortodôntico transparente ganha versão projetada especificamente para pacientes em crescimento e com dentição mista precoce.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo
Crianças entre seis e dez anos de idade ganham nova opção de tratamento ortodôntico. (Imagens: divulgação)

 

Smartphones, tablets e computadores já fazem parte da realidade das gerações mais novas. Entre uma diversão e outra, é comum vermos uma criança brincando tranquilamente com um tablet ou selecionando quais vídeos prefere assistir. Os jovens da chamada geração alpha, composta por nascidos a partir do ano 2010, já consomem conteúdo sob demanda e veem as inovações com naturalidade, já que estão acostumados e são estimulados a interagir com as ferramentas digitais desde o nascimento.

As inovações tecnológicas integram a rotina de brincadeiras e de aprendizado das crianças, mas também ganham força nos mais diversos tratamentos de saúde da nova geração. A Ortodontia é uma das especialidades que tem utilizado a tecnologia digital com frequência. Novos materiais, equipamentos e técnicas são aliados importantes dos ortodontistas, desde o diagnóstico até o tratamento, passando pelo planejamento, na incansável busca por precisão e previsibilidade nos resultados.

Entre as novidades mais importantes da Ortodontia contemporânea está o crescente uso da tecnologia 3D, que influencia a maioria dos processos terapêuticos. O fluxo de trabalho da Ortodontia Digital, composto por modelos digitais, softwares e impressoras 3D, ofereceu ganhos importantes para a especialidade, inclusive nos tratamentos para crianças.

 

Conhecimento e tecnologia lado a lado

Como em todas as especialidades ligadas à Saúde, os profissionais da Ortodontia também devem estar atentos às novas ferramentas. O ortodontista Renato Dell Aquila Mussa destaca o conforto do paciente e o menor tempo de tratamento como bons motivos para seguir de perto o desenvolvimento no setor. “A tecnologia digital oferece um controle muito melhor para a movimentação ortodôntica. Com ela, sabemos exatamente onde colocar o dente e qual será a sua posição final”, explica.

Segundo a ortodontista Giselle Namur Menusier, a tecnologia digital incrementa e facilita os tratamentos. “Hoje podemos ter todos os arquivos e as documentações ortodônticas digitalizados. Não há mais necessidade de arquivar modelos de gesso, fotos e radiografias de maneira física, otimizando o espaço nas clínicas”, ressalta.

As impressões da boca do paciente também são realizadas de maneira digital através de escaneamento das arcadas, eliminando as moldagens convencionais. “Essa ferramenta colabora na definição de um diagnóstico mais preciso, nos planejamentos virtuais, com visualização dos objetivos, animação 3D, simulação do resultado, aumento da previsibilidade e acompanhamento da progressão do tratamento”, destaca Giselle.

Apesar de ser uma importante aliada da Ortodontia, a tecnologia não dispensa o conhecimento técnico e científico do ortodontista, que segue imprescindível para o sucesso na finalização do caso, inclusive na correta utilização das novas ferramentas digitais. “Através da experiência que o profissional adquire com o tempo, fica mais fácil controlar a força utilizada, por exemplo. Para o ortodontista, uma força mais controlada, leve e constante faz com que o tratamento fique mais eficiente e confortável. A tecnologia ajuda a acertar o alvo mais rapidamente e de forma objetiva”, explica Mussa.
 

Ortodontia em crianças

Mesmo com os recursos mais modernos, o tratamento dentário de crianças possui características especiais e exclusivas. Normalmente é na infância que os primeiros problemas ortodônticos aparecem e é nesta fase que devem ser iniciadas algumas ações do profissional. Mas, nem sempre é fácil. “A principal dificuldade na primeira fase do tratamento ortodôntico com crianças vem dos pais. Se eles não levarem o paciente ao consultório até uma certa idade, pode-se perder algumas oportunidades de tratamento”, conta Mussa.

Além da busca por um sorriso bonito, a terapia ortodôntica interceptativa de crianças está voltada para a prevenção de problemas mais severos de alinhamento, que podem ficar ainda piores conforme o desenvolvimento físico. Ao mesmo tempo, o tratamento promove uma fundação para os dentes permanentes.

Nesta fase, o relacionamento entre paciente e profissional deve ser de extrema confiança. A tecnologia ajuda também neste ponto, já que a comunicação entre as partes se torna mais fácil. “O profissional deve saber lidar e ter psicologia com crianças e adolescentes, por estarem em fase de crescimento e fazerem parte de uma geração muito específica. A colaboração, a responsabilidade de uso e não perder o aparelho estão entre os tópicos que precisam ser muito bem trabalhados”, aponta Giselle.
 

 Alinhador transparente é especificamente projetado para pacientes em crescimento e com dentição mista precoce. 


 

Alinhadores, uma opção desde a infância

Apesar de não serem uma novidade na Ortodontia, os alinhadores estéticos foram um dos beneficiados pelos recentes avanços tecnológicos na especialidade. Com isso, ganharam um importante espaço nos últimos anos. Scanner intraoral, modelos digitais, setups virtuais, planejamento e visibilidade 3D são alguns dos pontos de evolução. A estética, a eficiência e a maior procura dos pacientes por conforto fizeram com que esse recurso terapêutico se consolidasse como uma alternativa viável no tratamento ortodôntico.

E agora o profissional brasileiro tem uma nova opção para tratar crianças: a Align Technology oficializou a chegada de um novo portfólio de produtos Invisalign no País. Entre eles está o Invisalign First, um alinhador ortodôntico transparente projetado especificamente para pacientes em crescimento e com dentição mista precoce. O sistema é recomendado para uma ampla gama de más-oclusões e para a expansão previsível do arco dentário, além do suporte em coroas clínicas curtas, na dentição permanente em erupção e no planejamento de prescrição e tratamento da fase 1, geralmente na faixa entre seis e dez anos de idade.

Esta nova opção ajuda os profissionais a tratar as crianças de forma mais estética, confortável e higiênica, com a possibilidade de interceder assim que a má-oclusão for diagnosticada. “Com o Invisalign First é possível promover expansões, corrigir apinhamentos e diastemas, alinhando e nivelando os dentes ao mesmo tempo e de maneira mais simples”, explica Giselle.

Segundo a empresa, tratamentos da fase 1 representam cerca de 20% dos casos ortodônticos iniciados a cada ano. Entre os principais benefícios para as crianças está a liberdade de sorrir sem se preocupar com a estética, já que os alinhadores são transparentes. Além disso, eles também podem ser removidos antes de comer e para a higienização diária, sem que isso afete o tratamento.
 

Indicações e características

Para iniciar o tratamento com o Invisalign First, os pacientes devem ter erupcionado os primeiros molares permanentes e pelo menos dois incisivos (permanentes ou decíduos) que tenham no mínimo dois terços aparentes. Os pacientes ainda devem ter ao menos dois dentes decíduos (caninos ou molares decíduos) ou permanentes (caninos ou pré-molares) não erupcionados por quadrante, em no mínimo três quadrantes.

Renato Mussa, que também é diretor clínico da América Latina da Align Technology, acredita que o novo sistema apresenta características importantes para a atuação profissional junto às crianças. Para ele, a principal vantagem é o conforto, já que o aparelho fica apenas nos dentes e não incomoda a mucosa ou o céu da boca. “A força do aparelho é leve, então não incomoda tanto na hora de trocar os alinhadores. Além disso, o controle da posição final dos dentes é muito melhor do que os aparelhos atuais, já que podemos movimentar, expandir e rotacionar dentes ao mesmo tempo. Além isso, é possível controlar o avanço mandibular juntamente com o alinhamento dos dentes. Ele otimiza e deixa mais confortável o tratamento”, explica Mussa.

O Invisalign First conta com um leque de características e recursos que potencializam o tratamento. Entre eles está o SmartTrack, um material à base de acetato que, por ser mais elástico, desenvolve forças leves e constantes, além de ser mais confortável para o paciente. Já com o SmartStage, o software calcula o “melhor caminho” para atingir a posição final. O SmartForce permite que o profissional coloque o dente na posição final e o software calcula quais forças serão ativadas para promover a movimentação, criando attachments e pontos de pressão que potencializam o movimento do dente automaticamente.

Todos esses recursos foram reforçados ainda mais com a sinergia do scanner iTero, uma ferramenta que permite, através do escaneamento das arcadas, um diagnóstico mais preciso, planejamento virtual, simulação dos resultados, progressão do tratamento e comunicação mais fácil com o paciente.

Estes recursos diminuem o tempo do tratamento e indicam o melhor caminho para uma força menos agressiva ao dente. A duração da fase 1 varia de acordo com o paciente e o planejamento, mas leva entre seis e 18 meses. Na sequência, o ortodontista pode prosseguir o tratamento com o Invisalign Comprehensive fase 2, com apoio e suporte da empresa. “Vale lembrar que esses recursos e tecnologias estão presentes tanto na fase 1 quanto na fase 2”, finaliza Giselle.

Scanner que permite a digitalização das arcadas do paciente.


 

Matéria sob demanda desenvolvida pela VMBranded.
Invisalign® é uma marca da Align Technology Inc. registrada em diversos países.