Publicado em: 17/06/2019 às 10h05

Avaliação da força muscular respiratória e do fluxo aéreo antes e após uso do Marpe

O espaço Ciência Brasil é reservado para divulgar pesquisas publicadas por ortodontistas em periódicos internacionais. Confira uma dessas pesquisas.

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Storto CJ, Garcez AS, Suzuki H, Cusmanich KG, Elkenawy I, Moon W et al. Assessment of respiratory muscle strength and airflow before and after microimplant-assisted rapid palatal expansion. The Angle Orthodontist In-Press 2019 [On-line]. Disponível em <https://doi.org/10.2319/070518-504.1.


RESUMO

Objetivo: avaliar alterações na força muscular respiratória e pico de fluxo inspiratório e expiratório, bem como alterações esqueléticas e dentárias em pacientes com diagnóstico de deficiência transversa da maxila antes e após a expansão rápida da maxila assistida por microimplante (Marpe).

Material e métodos: 20 pacientes (13 do sexo feminino e sete do masculino) foram avaliados por testes respiratórios em três períodos diferentes: inicial (T0), imediatamente após a expansão (T1) e após cinco meses (T2). Os testes incluíram: pressão inspiratória máxima (PImáx) e pressão expiratória máxima (PEmáx), pico de fluxo expiratório oral e fluxo nasal inspiratório. As medidas de tomografia computadorizada de feixe cônico foram realizadas no arco maxilar, cavidade nasal e vias aéreas antes e imediatamente após a expansão.

Resultados: houve aumento significativo da PImáx entre T0 e T2 e PEmáx entre T0 e T1 (p < 0,05). O pico de fluxo oral e nasal aumentou imediatamente após e cinco meses mais tarde, especialmente em pacientes com sinais iniciais de obstrução das vias aéreas (p < 0,05). Além disso, após a expansão houve um aumento significativo da cavidade nasal, osso alveolar e larguras interdentárias na região dos molares e pré-molares. Os molares se inclinaram para vestibular (p < 0,05), mas nenhuma diferença foi encontrada na inclinação dos pré-molares. O Marpe aumentou significativamente o volume das vias aéreas.

Conclusão: as alterações esqueléticas promovidas pelo Marpe afetaram diretamente o volume das vias aéreas, resultando em melhora significativa da força muscular e do pico de fluxo nasal e oral.

 

 Coordenação de conteúdo:


Marcio Rodrigues de Almeida

Mestre, doutor e pós-doutor em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB/USP); Minirresidência em Ortodontia na Universidade de Connecticut, EUA; Professor do curso de mestrado/doutorado em Ortodontia da Unopar, Londrina/PR.